Dar ou não dar, eis a questão!

E quando eles lançam aquele olhar super fofinho quando estamos a comer?

O Monte dos Animais visitou diversos sites e após várias pesquisas compilou as informações mais importantes sobre os alimentos a evitar.

Para começar, se dermos, o melhor mesmo é dar no final da refeição, para não termos um pedinchão durante todo o almoço ou jantar. Mas, mais importante do que isso é sabermos quais os alimentos que são tóxicos para eles e que de maneira nenhuma os podemos deixar ingerir, por mais meigos que os olhinhos deles se apresentem.

Rita Marques . 23-10-2017

3_


Lista de alimentos a não dar:

  1. Abacate
  2. Açúcar
  3. Álcool
  4. Alho, cebola e cebolinho
  5. Alimentos gordos
  6. Ameixas, pêssegos e dióspiros
  7. Amendoins
  8. Batata
  9. Café, chá e bebidas energéticas
  10. Carne e peixe cru
  11. Chocolate
  12. Cogumelos
  13. Doces e gomas
  14. Leite e derivados
  15. Louro e noz-moscada
  16. Frutos secos
  17. Massas cruas
  18. Milho
  19. Ovos crus
  20. Ossos
  21. Sal
  22. Tomate
  23. Uvas e passas

  1. Abacate

O principal problema reside na substância Persin, que se encontra nos abacates, apesar de ser inofensiva para nós, é altamente tóxica para a maioria dos animais, como no caso dos cães. Bastam pequenas quantidades para os fazer vomitar e ficar com diarreia.

  1. Açúcar 

Assim como nós não devemos ingerir alimentos e bebidas com muito açúcar, os cães também não. A ingestão de açúcar pode os levar aos mesmo problemas: Obesidade, diabetes e problemas dentários. Esta é mais uma razão pela qual não se deve dar chocolate ao seu melhor amigo.

  1. Álcool

O álcool é tão mau para o fígado e cérebro de um cão, como nos humanos, mas para os cães é ainda mais tóxico. Uma pequena quantidade é suficiente para causar vómitos, diarreia, depressão do sistema nervoso central, diminuição da coordenação, dificuldade respiratória, acidez anormal do sangue, tremores, coma, podendo mesmo levar à morte. Quanto menor o cão, maior o efeito.

  1. Alho, cebola e cebolinho

Nestes três vegetais existe uma substância que provoca a destruição dos glóbulos vermelhos e podem causar irritação gastrointestinal. Se os animais comerem alimentos temperados com estes ingredientes, correm o risco de ficarem com anemia e com aparecimento de sangue na urina. Em casos de anemia grave, o animal pode vir a necessitar de uma transfusão de sangue.

  1. Alimentos com muita gordura

Por terem grandes concentrações calóricas constituem um perigo elevado. Para além do perigo da obesidade, um problema crescente nos nossos animais domésticos, alimentos com muita gordura podem levar a episódios de vómito, diarreia e danificar o pâncreas.

  1. Ameixas, pêssegos, diospiros e outros frutos com caroço

Estes frutos por si não são motivo de preocupação, o grande problema são as grandes sementes, ou caroços. As sementes dos diospiros podem causar a inflamação do intestino delgado em cães, podendo também levar à obstrução intestinal. Se um cão come o caroço de um pêssego ou ameixa, poderá ficar com a via aérea obstruída. A somar a tudo isto, o caroço do pêssego e da ameixa contém cianeto, que é venenoso tanto para seres humanos como cães. A diferença é que nós sabemos que não os podemos comer e os cães não.

  1. Amendoins

Por si só o amendoim não é um alimento tóxico para os cães, ao contrário de outro tipo de nozes que devem ser evitadas. O problema é que muitas vezes o amendoim é confeccionado frito, em pratos salgados, ou com açúcar e, nestes casos, torna-se um alimento proibido.
Se o seu cão for alérgico poderá bastar cheirar um amendoim para desencadear uma forte reação alérgica.

  1. Batata

Em porções controladas, os cães podem comer quase todo o tipo de batata, incluindo a bata-doce. No entanto é necessário que a batata esteja completamente madura, limpa, descascada, sem partes verdes ou estragadas e totalmente cozidas, pois batatas que não cumpram estes requisitos apresenta grande quantidade de solanina, que é tóxica, podendo causar vómitos, diarreia e problemas mais severos, como distúrbios no sistema nervoso e urinário.

  1. Café, chá e bebidas energéticas 

A cafeína, geralmente presente nestas bebidas, pode ser fatal quando ingeridas em grande quantidade e o pior é que não há antídoto. Os sintomas de intoxicação por cafeína incluem agitação, respiração acelerada, palpitações, tremores musculares, convulsões e sangramento. Além de chá e café, a cafeína pode ser encontrada no cacau, chocolate e vários refrigerantes, bem como em alguns medicamentos para a gripe e analgésicos.

  1. Carne e peixe cru

A carne e o peixe cru podem conter bactérias que causam intoxicação alimentar. Cozinhe muito bem a carne e o peixe para matar os parasitas e proteger o seu cão. Uma alternativa a cozinhar estes alimentos é congela-los durante alguns dias, no mínimo três.

  1. Chocolate

O Chocolate contem teobromina, que é um estimulante , funcionando de forma semelhante à cafeína e é venenosa para os cães. A teobromina está presente em todos os chocolates até no branco. Claro que quanto mais escuro apresenta maior concentração dessa substância. Mesmo doses pequenas podem afetar o coração, sistema nervoso central e rins do seu cão. O envenenamento por chocolate ocorre entre quatro a 24 horas após o consumo, podendo apresentar vómitos, diarreia, sede excessiva, agitação, tremores, hiperatividade e até mesmo crises convulsivas. O melhor é levar o cão ao veterinário, sendo que a primeira medida é fazê-lo vomitar.

  1. Cogumelos

Os cogumelos que utilizamos para confeccionar os nossos pratos, não são tóxicos para os cães, apenas se consumido em excesso, nesse caso poderão causar dores no trato digestivo, vómitos e diarreia. Os cães não toleram uma grande quantidade deste alimento. Tal como para nós, a grande maioria dos cogumelos selvagens são tóxicos para os cães também e, se ingeridos, podem provocar problemas gástricos, de coração, fígado, rins e, em casos graves a morte.

  1. Doces e gomas

Goma de doces, pasta de dentes, produtos de panificação, e alguns alimentos “light” são adoçados com xilitol. O xilitol pode causar um aumento na insulina que circula através do corpo do seu cão. Isso pode diminuir o açúcar do sangue do seu cão e levar à insuficiência hepática. Os sintomas iniciais são vómitos, letargia e perda de coordenação, podendo levar a convulsões.

  1. Leite e derivados

O leite e os seus derivados podem causar diarreia e outros problemas digestivos, além de causar alergias alimentares (que muitas vezes se manifestam como comichão).

  1. Louro e noz-moscada

Estes condimentos podem provocar convulsões, danos no sistema nervoso central e até mesmo a morte. A toxicidade destes alimentos também se aplica a nós, pelo que devem ser consumidos com moderação.

  1. Frutos secos

Frutos secos como as nozes, amêndoas, pistaches, se não forem consumidos em excesso, e atenção porque os cães não toleram quantidades tão grandes quanto nós, não constituem problema. O problema é que são frutos de casca rija e os cães para os consumir poderão ingerir porções grandes de casca, podendo engasgar-se ou mesmo causar obstrução do sistema digestivo. No entanto a noz macadâmia pode ser muito perigosa para os nossos amigos caninos, pelo que não deverá ser consumida.

  1. Massas cruas

Massa do pão, por exemplo, não deve ser consumida cura, uma vez que irá fermentar no estômago do seu cão e poderá causar um desconforto, ou mesmo uma dor severa. A acrescentar a isso, quando a levedura fermenta a massa para fazê-la subir, há produção de álcool, que pode levar a intoxicação por álcool.

  1. Milho

Diferente da maioria dos produtos hortícolas, o milho não é bem digere no estômago de um cão. Caso este engula um pedaço grande, pode provocar obstrução intestinal, sendo que os sintomas são vômitos, perda de apetite, falta de fezes ou mesmo diarreia.

   19. Ovos crus

Há dois problemas com os ovos crus. O primeiro é a possibilidade de intoxicação alimentar por bactérias como a E. coli ou Salmonela. A segunda é que uma enzima em ovos crus interfere com a absorção de vitamina B em particular. Isto pode causar problemas de pele, além de problemas com o pelo do seu cão.

 20. Ossos

Os ossos podem fazer com que os nossos bichinhos se engasguem, sufoquem e até podem perfurar algum órgão interno, devido a estilhaços que fiquem alojados no trato digestivo. Se lhe der um osso como presente, o melhor é manter-se por perto para o poder observar e assegurar que tudo corre bem. Prefira oferecer osso crus do que cozidos, pois estes últimos lascam com maior facilidade. De qualquer forma, não faça disso um hábito, pois muitos ossos podem causar prisão de ventre.

21. Sal

Não é boa ideia compartilhar alimentos salgados, como batatas fritas, com o seu cão. Comer muito sal pode provocar sede excessiva e intoxicação. Os sintomas de excesso de sal incluem vómitos, diarreia, depressão, tremores, temperatura corporal elevada e convulsões, podendo até causar a morte.

  1. Tomate

Desde que oferecido maduro e em boas condições de consumo é considerado um alimento seguro. Contudo, se estiverem verdes apresentam na sua constituição glicoalcaloide, que constituí um grau de toxicidade elevado para os cães.

  1. Uvas e passas

As uvas e as passas têm sido frequentemente utilizados como comida para cães. Mas não é uma boa ideia. As uvas e passas podem causar falência renal em cães. E apenas uma pequena quantidade pode fazer um cão adoecer. Vómitos seguidos e hiperatividade são os primeiros sintomas. Apenas no espaço de um dia o seu cão ficará letárgico e deprimido. A melhor prevenção é manter as uvas e as passas longe do seu cão.


Respondendo à questão inicial “dar ou não dar”- podemos dar, sim,  desde que tenhamos presente quais os ingredientes que podemos ou não incluir na dieta alimentar dos nossos animais.

Para colmatar, outra questão se levanta: Ração industrial, é bom ou não? Visto os cães não deverem comer restos de comida que tenham sido preparados para consumo humano, devido aos inúmeros temperos utilizados e a algumas substâncias presentes em alguns alimentos que para o nosso organismo não causam qualquer transtorno, mas para eles são altamente tóxicos, a ração torna-se portanto uma boa opção relativamente a esta circunstância, preferencialmente uma da melhor qualidade possível. Contudo, a ração industrializada é, em geral, desidratada, repleta de conservantes, estabilizantes, corantes, entre outros produtos químicos que poderão ser igualmente nocivos ao organismo dos nossos melhores amigos. Este tipo de ração não tem a mesma qualidade que uma refeição preparada com ingredientes frescos. Apenas deveria ser dada quando não temos tempo para preparar comida de qualidade para eles.

Se tem alguma dúvida sobre este tema, não se esqueça, consulte um veterinário, este artigo é meramente informativo, tendo por base os sites indicados abaixo.

 

Bibliografia

https://www.purina.pt/cao/etapas-de-vida/cachorro/alimentar-o-seu-cachorrohttps://www.purina.pt/cao/etapas-de-vida/cachorro/alimentar-o-seu-cachorro

http://clinicaveterinariasaojoao.pt/22-alimentos-prejudiciais-aos-caes/

https://cachorrode29anos.com/blog/15-alimentos-que-voce-nao-deve-dar-para-o-seu-cachorro/

http://www.cachorropodecomer.com/2014/06/cachorro-pode-comer-comida.html

http://www.cachorropodecomer.com/2014/06/cachorro-pode-comer-amendoim.html

http://www.cachorropodecomer.com/2014/08/cachorro-pode-comer-cogumelos.html

http://www.blogdocachorro.com.br/cachorro-comer-pao/

http://www.cachorropodecomer.com/2014/08/cachorro-pode-comer-nozes.html

 

 

 

Um pensamento sobre “Dar ou não dar, eis a questão!

  1. Pingback: Cuidado com a Páscoa! | Monte dos Animais

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s